Home > albertomeunomedeusuario

É o que parece. Últimamente está sempre em más companhias.Os últimos colocados ou próximo deles.Haja paciência entre os torcedores. Subestimado por torcedores de outros clubes, às vezes com deboche.Só por muito amor ainda,o acompanha. Sim, no presente, não há a alegria da vitória, só sofrimento de derrotas, na maioria das vezes. A caravela, parece sem rumo.Pudera, já faz tempo que está à deriva pela falta de um almirante.Não há tempo bom no oceâno da competição do campeonato brasileiro. As crises se instalaram no clube, e gostaram. Não há jeito de elas abandonarem o Vasco.Tornou-se hábito atrasar pagamentos de salários. Não há coisa pior, em qualquer atividade econômica, essa prática. O presidente Alexandre Campello, nas últimas eleições, mancha negra na história do clube, entrou pelas portas dos fundos.Uma credencial negativa para o exercício do maior posto da administração do clube. O maior problema do Vasco são as finanças. Há somente a preocupação de cortar despesas. Certo. è essencial. Acontece que também é essencial aumentar receita. Essa ação requer criatividade e experiência de gestão. O departamento de marqueting do Vasco é um restaurante de comidas de prato feito.Não há sofisticação no cardápio.Um departamento que necessita de especialistas na matéria com experiência de sucesso no mercado, para descobrir ninchos para alimentar as finanças do clube.O Vasco vem nestas últimas décadas, de gestões medíocres. Administrações arcaícas, tipos naftalinas.O tempo não para. Castiga àqueles que não olham para frente, nem de lado. Só para trás.Ignorou a evolução na gestão de clube.Talvez por soberba, por ser o Vasco gigante.Apequenou-se. Continua o processo de nanismo.Sem títulos e péssimas campanhas, sempre na porta de saída da principal competição do calendário nacional. O clube para o torcedor de futebol é parte de sua existência. Os sucessos do Vasco é sucesso deles.Sem felicidade, o torcedor desde criança, opta pela alegria de times vencedores.Aos diretores do Vasco, como torcedor da velha guarda do Vasco da Gama, peço-lhes: deixam de confusão.

 

Compartilhe